; //]]>

14/11/2016

Autoral | Querida Eu do Futuro, #7

Reprodução: Tumblr
    Querida eu do futuro,
   Gostaria de saber como estão as coisas por ai. Sabe, nos últimos anos finalmente consegui traçar um plano para o futuro. Mas constantemente vejo as pessoas dizerem que o futuro é incerto, e eu sei disso. Sei até demais por sinal. Mas a verdade é que eu preciso de um plano sabe? Acredito que todos nós precisamos de um, se não acabaremos desperdiçando os nossos dias com coisas aleatórias. Acabaremos ficando perdidos como um viajante sem um mapa de onde ele deve chegar.

E no final, não é isso que somos? Um viajante? Vagamos dia após dia nesse mundo, desviando de raios e trovões, retirando pedras do caminho da estrada, que nem sempre está visível. E na maioria das vezes acabamos carregando algumas pedras nas costas. Isso quando elas não me fazem tropeçar, não é?

   Querida eu do futuro,
   Gostaria de saber, não se os meus planos deram certo, mas se pelo menos o caminho e as metas que tracei conseguiram te levar a algum lugar. Como está a sua relação com a nossa mãe? E o papai? Ele pode te responder uma pergunta caso você a faça agora? A Duda cresceu muito? Ela já deve está com nove anos. Os cabelos escureceram ou clarearam ainda mais?

   Querida eu do futuro,
   Sabe, eu escolhi mudar de colégio no meio do ano passado, e esse ano fiz uma coisa que estava com bastante receio de fazer: mudei de turno. Entrei em uma sala onde eu não conhecia quase ninguém. Espero que você agora já possa rir dessas lembranças. A gente bem sabe o quanto foi embaraçoso o debate mental de cinco minutos em cima da cama naquela segunda-feira de manhã. Mas tenho certeza que você guarda essa lembrança como uma conquista.

Também queria saber se fiz errado em escolher o curso de "Assistente Financeiro". Nós, e os últimos quatro professores de matemática, sabemos como sou um desastre total nessa matéria. E falando em matemática... como vai a faculdade? Caso tenha conseguido entrar, já deve está no último ano. O que será que você encontrou por ai em?

   Querida eu do futuro,
   Já passaram outros amores por sua vida, ou ainda continua sendo o mesmo? Gostaria de saber se você já se conectou com alguma religião também. Nós conseguimos ter o primeiro cachorro? Se sim, é um Golden Retrieve ou será que mudamos de ideia? E as suas amizades? Ah, as amizades... Quantas pessoas será que chegaram e saíram da sua vida? Quantos tombos mais você levou? 

   Querida eu do futuro,
   Tenho tantas perguntas para fazer... Tantas que devem ter sido feitas no rascunho desse texto, mas que resolvi tirar por ser pessoal demais. E você deve lembrar-se não é? De como é difícil eu me abrir para os outros. Com certeza é difícil para a maioria das pessoas. Aquelas que se decepcionaram com uma, duas, quatro, vinte e três ou mais pessoas, e que hoje preferem guardar tudo para si. Okay! Talvez eu seja mesmo meio dramática. Mas vai dizer que você não se lembra mais? No máximo escrever em uma nota de computador ou naquele caderninho escondido atrás dos livros.

   Querida eu do futuro,
   Falando em escritos, espero que tenhamos conseguido terminar aquelas histórias do Wattpad, e outras que eu sempre me esqueço de passar para o papel. Quantos livros será que você já leu até o momento?

   Querida eu do futuro,
   Você está com 22 anos e alguns meses agora. Espero que tenha crescido mais alguns centímetros pelo menos. Deve ter acontecido tanta coisa que eu sequer tenha pensado em perguntar. Mas talvez seja melhor assim.

    Querida eu do futuro,
   Desculpe-me se fiz algo errado, ou melhor, se estou preste a fazer ou deixar de fazer algo que possa ter interferido de forma positiva ou negativa ai na sua vida. Eu realmente não sei o que vai acontecer daqui a cinco minutos, muito menos daqui a cinco anos. Cinco dias. Então, no momento posso lhe dar a minha palavra, que todos os dias tentarei fazer o meu melhor. Mas, você se lembra de que essa promessa foi feita há alguns meses atrás? Depois daquela semana lotada de seminários no terceiro ano?! Prometo que não me permitirei amedrontar pelos meus medos, muito menos pelas pessoas que acham que não sou capaz de fazer ou conquistar alguma coisa!

   Querida eu do futuro,
   Farei o possível para que você esteja em condições de responder a minha carta. Lembra que eu meio que surtei internamente quando fiz dezessete? Confesso que estou com um pouco de medo, não só dos dezoito, mas dos próximos anos. Eles me parecem um pouco assustadores. AS responsabilidades e o peso de todas aquelas pessoas lá fora, compreende? Mas farei o meu melhor para que seu presente esteja sendo bom.


Nota: Percebi que o mínimo dos mínimos que nós podemos fazer pelos nossos eu's (já que são muitas as opções que podemos nos tornar) do futuro é tentar! Mas tentar mesmo, ir em frente e fazer aquelas coisas que sabemos que devem serem feitas, mas que não temos coragem. Ficamos achamos que ainda tem mais tempo para realizá-las. Lembrou de alguma coisa né? Aquilo lá que você quer muito fazer, mas acha que ainda não está capacitado. Um conselho: vai e se capacita se esse for o problema, para que no futuro você não venha a se arrepender daquilo que podia ter feito e que teria mudado a sua vida, mas não o fez... por medo. Se for por falta de oportunidade, então a crie! No mínimo, o que podemos fazer pelo nosso Eu de cinco, dez anos mais velho é sair da nossa "zona de autoproteção", vulgo Zona de Conforto.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário