[RESENHA] O Resgate do Tigre - 2º Vol. de A Maldição do Tigre

10:21:00


  Estou feliz? Estou feliz! Por que tem resenha? Também. Mas por que dia quatro desse mês o "Livros e Um Segundo Mundo" fez dois aninhos de idade! (fogos e palmas) Então obrigada a todos os Confidentes que acompanham o blog e dividem suas opiniões aqui nos comentários! Amo vocês babys! <3

     Em o Resgate do Tigre, as coisas começam a caminhar ao nosso favor depois da partição de coração que foi o primeiro volume da saga. Ren resolve viajar até a cidade natal da sua amada para tentar reconquistá-la usando de gestos muitos ousados, românticos e até mesmo divertidos — que vindo do nosso principe Dhiren já se torna uma arma letal as moças :D. 

Mas depois de tanto fazer o leitor suspirar e rir com o casal, os caminhos da vida preparam uma armadilha para esse trio. Sim! Trio. Ren acaba sendo separando da Kells e do Kishan depois de mais uma batalha. Preocupada e histérica Kelsey retorna a Índia atormentada achando que aquilo no final das contas seria um pesadelo, e ela teria Ren novamente ao seu lado quando acordasse. Agora, ela e os outros personagens se preparam para mais aventuras. Mas dessa vez a Kelsey terá como acompanhante o irmão de Ren, Kishan, também condenado a forma de tigre. Os dois seguem por vários dias procurando objetos mágicos para acabar de vez com a maldição, e principalmente descobrir para onde Ren foi levado e resgatá-lo antes que seja tarde demais.

Esse livro até que tentou me irritar um pouco. Não vejo lógica nessa idéia de por uma personagem para gostar de dois irmãos ao mesmo tempo. Mais para um trapaceiro do que um badboy, Kishan não perde a oportunidade de investir para cima da Kelsey. Ela tenta de todas as formas fazer com que Kishan perceba que ela ama o seu irmão Ren, e fazer daquela ocasião apenas uma relação de trabalho e “dependência de ajuda”.

Não gosto de triângulos amorosos, mas mesmo assim o livro não perdeu pontos comigo. Tem muita coisa boa que faz esse detalhe ser coisa pequena. Bem pequena! E eu, é claro, como uma boa Tigger, confio no taco de Ren, e mesmo não tendo lindo “O Destino do Tigre” (último livro da serie) o obvio e é claro que os dois fiquem juntos. Ou pelo menos é o que eu acho que deva ser!

Para quem também odeia triângulos amarosos, não se desesperem! Não é nada que te faça querer jogar o livro pela janela (#NUNCAFAÇAISSO <3). O leitor só precisa focar nas aventuras que os dois passam para sobreviver (que só para constar são MUITAS), nas coisas que aprenderemos sobre as culturas (comidas, costumes, roupas, etc e tal) no virar das páginas, e sonhar com o momento em que Dhiren irá ser resgatado e irá jogar (mais uma vez) Kishan para o escanteio. Creio que esse último pensamento foi o que mais me fez ficar tranquila em relação ao romance do livro, e aproveitar todas as outras coisas que a Colleen escreveu para nós!


  O problema é que a Kells começa a se sentir atraída por Kishan, e ele é claro que fica feliz. Mas calma minha gente. Não se irritem! A Colleen tem o seu jeitinho e soube muito bem manobrar esses dois até o terceiro livro da serie (A Viagem do Tigre) onde as coisas começa a ficar divertidas de verdade. Percebemos que a única coisa entre os dois é realmente atração, e que a Teoria do Rabanete funcionaria de verdade para o Kishan. Ou seja, uma atração da parte de Kells e um possível amor da parte do Kishan, não é páreo para o amor de Dhiren e Kelsey. Para falar a verdade, o triângulo amoroso está mais para uma coisa que vai te fazer rir, do que te levar a interromper a leitura como fazemos em certos livros.

“— Eu não... eu não posso. Olhe, tudo que sei é que amo Ren. E ficar com você, por mais tentador que seja, não é algo que eu possa fazer. Não posso dar as costas para ele. Por favor, não me peça isso. — Kelsey.”

Com a mesma essência de mostrar a nós leitores um pouco da cultura Indu, somo levados a mais buscas e aventuras como no primeiro livro da saga. Isso é um ponto positivo para mim, pois além de ter uma história muito legal, o livro nos apresenta uma cultura pouco explorada pelos escritores — o que de certa maneira me fez parar para pensar um pouco naquela questão de “preconceito religioso”.

O desenrolar da história foi bem produzido! Ao mesmo tempo em que Colleen consegue deixar os leitores ansiosos com o resgate de Dhiren, consegue acalmá-los e distraí-los com as várias cenas de acelerar o seu batimento cardíaco! Nesse segundo volume tem muito mais lugares bacanas e seres fantásticos (olá sereias, tritões, fadas...).



 Esse livro também “empurrou-me” para um lado mais calmo. As lições — principalmente vindas de Pet — nos mostra como a vida pode ser cheia de significados perante culturas diferentes. Como olhar o ponto de vista de cada um é importante. O que algo pode ser errado aqui no nosso país, mas em outro pode ser cultura. Mas que o principal é que nós construamos nossos princípios, e aproveite o lado bom das coisas. É aquela questão de jugar as crenças e religião dos outros usando como base a sua (olha as aulas de geografia ajudando nas resenhas, háhá.)


"— Ótimo! Uma mente com perguntas é uma mente aberta ao entendimento." — O Mestre do Oceano.

Se você leu o primeiro livro da saga (A Maldição do Tigre) aconselho a não parar! O Resgate do Tigre foi uma ótima leitura, e surpresas e emoções virão com todas as forças em “A Viagem do Tigre”. Fiquem longe de spoilers até lá, ein?! haha

O final desse segundo livro é ainda mais surpreendente! E mesmo com o desespero da Kells eu não consegui ficar triste. Não que eu tenha dado risada da cara da Kelsey ( :3 ), mas achei merecido e acho que muitos de vocês vão achar também, e irão soltar fogos no terceiro volume: A Viagem do Tigre.


FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: Tiger's Quest
AUTORA: Colleen Houck
PÁGINAS: 430
EDITORA: Arqueiro
LANÇAMENTO (BR): 2012
CONTÉM: Aventura, Romance, Fantasia, Suspense e Mitologia Hindu

"Você sabe que está apaixonado quando vê o mundo nos olhos dela, e os olhos dela em todos os cantos do mundo."
— David Levesque. (O Resgate do Tigre)

  • Share:

You Might Also Like

4 comentários