[RESENHA] Quatro - Histórias da Série Divergente

17:29:00


         Adoro quando o escritor(a) resolve lançar um bônus na perspectiva de outro personagem. Nesse livro a Veronica narrou em — tecnicamente — 260 páginas algumas coisas que nós “Iniciados” não conseguimos saber com muitos detalhes sobre o Quatro.

Creio que todo mundo que já leu/assistiu a Tris em ação a admira muito por ser uma personagem forte, não fisicamente, mas emocionalmente. Depois de ler esse ultimo livro da franquia se me perguntassem com qual personagem eu mais me idêntico seria o Tobias. Ele nos permite saber como era antes de tudo acontecer. O modo como seu pai o tratava, a maneira como seus pensamentos mudavam a cada vez que acontecia alguma coisa e ele precisava tomar uma atitude, e principalmente como se sentiu ao perder sua mãe.

Essa leitura mexeu comigo e me fez ficar ainda mais orgulhosa dele (4) e de todo os outros da série. Se a Tris serve de inspiração, não sei como descrever o que Tobias é depois de ler a sua perspectiva. A gente se emociona ao perceber como ele era antes de ser aquele Tobias durão, valentão, e protetor.

 “As mãos dele atingem meu peito. Tropeço para trás e bato na cômoda. Depois, ele levanta a mão, preparando-se para me bater, e eu digo, com a garganta apertada de medo:— A Cerimônia de Escolha, pai!”



Achei que a trilogia já estivesse ensinado tudo que podia, mas ai vem esse bônus e nos lembra que as pessoas não ficam fortes, sábias e determinadas do dia para a noite como já encontramos o Quatro no primeiro livro da trilgia. Muito menos nascem assim. Esse livro descreve o lado mais profundo do Instrutor da Audácia. As coisas que ele passou até conhecer a Tris e ocorrerem todas aquelas reviravoltas nos livros da Série.
“— É você quem precisará conviver com a sua escolha. Os outros vão superar, seguir em frente, não importa a sua decisão. Mas você nunca conseguirá fazer isso.” — Tori (Pág: 15)
Também ficamos por dentro de como funcionava os cargos de trabalhos que não eram muito descritos nos outros livros, presenciamos o primeiro encontro de Tobias com uma garota, pois é não foi a Tris. Entre outras coisas relacionadas ao Tobias e as pessoas com que ele andava, mas que não foram contadas.
“[...] Antes da passagem do medo, eu era apenas alguém em quem eles podiam pisar em seu caminho para entrar na Audácia. Agora, sou como Eric. Alguém em quem eles precisam ficar de olho, ou talvez até temer.”
“Demoro algum tempo para bolar um plano. Se ela fosse uma garota normal da Audácia e eu fosse um garoto normal da Audácia, eu a chamaria para sair comigo, e nós daríamos uns amassos perto do abismo, [...].”
Mas a leitura não é somente momentos tristes. Acompanhamos o crescimento do Quatro em três histórias: A TransferênciaIniciação, O Filho, e o Traidor. Contém também três cenas exclusivas, ou seja, algumas cenas do livro Divergente na sua perspectiva. Vemos a relação dele com os colegas e o modo como descobriu “ser” Divergente. Ah, e conhecemos o Amah também.


“— Aqui suas únicas opções são encarar os seus medos e tentar não morrer no processo, ou ir embora como covardes. — Amah.
  Ah, é legal saber que: o livro narra somente os momentos pessoais e exclusivos da vida do Tobias, e não inclui todas as cenas dele com a Tris, e outras que já lemos nos outros livros. Esse é um volume bem pessoal entre nós leitores e o Quatro ao acompanharmos como foi passar por todas as situações difíceis, engraçadas, e seu crescimento como pessoa. No fundo o Tobias sempre foi inseguro. A diferença dele para os outros personagens é que ele conseguia esconder seus problemas, seus medos... Sabia pensar com calma. Denominei-o de: Personagem Cebola = cheio de camadas.

Se tem uma coisa que essa leitura pode oferecer a nós Iniciados, é nos mostrar que o personagem Tobias Eaton não é apenas o mocinho e par romântico da personagem principal. Que por sinal, a Veronica disse que no inicio do projeto toda a trama séria contada pelo Tobias.  Ele tem sua própria história e suas revoltas. Foi bacana saber que antes mesmo da Tris "dá as caras" na Audácia ele já suspeitava de muita coisa.
“Ano passado, aprendi que, se quiser que me respeitem desde o início, preciso ser durão com eles de cara. Não tenho o charme natural de Amah, que consegue ganhar a lealdade das pessoas só com um sorriso ou uma piada; então preciso compensar de outras maneiras.” (Pág: 260)



 Depois de saber mais sobre o Quatro, digo e defendo o meu argumento que perante as regras rígidas da cidade de Chicago e tudo que descobri sobre ele (Quatro), não tem como ele não ser Divergente! Haha...
“— Você não é bonita. E daí? Gosto de sua aparência. Você é extremamente esperta. Você é corajosa. E, mesmo que tenha descoberto a questão com o Marcus... Você não está me olhando daquele jeito. Como se eu... fosse algum tipo de cachorrinho abandonado. — 4
— Bem, você não é! — Tris” (Pág: 248)  
“— Você vai se sair muito bem aqui, não é mesmo?
— Por que diz isso? — Quatro.
— Você me parece alguém que está disposto a lutar, só isso. — Tori.” (Pág: 43)

Nota: 3/5 (Bom)
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 272
Lançamento (BR): 2014
Volume: Bônus da Trilogia DIvergente

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários